Rádios Livres e a Emergência de uma Sensibilidade Pós-Mediática

original em francês:

http://multitudes.samizdat.net/Les-radios-libres-et-l-emergence-d.html

par Bifo (Franco Berardi)

tradução 9s
publicado em:
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/12/368808.shtml

Mise en ligne le dimanche 25 juin 2006

Manifesto TV Piolho

Manifesto da TV Piolho, canal 20 UFH, TV Livre, levado ao ar hoje:

http://piolho.tvlivre.org/mani_piolho.mpg
ou
http://www.midiaindependente.org/media/2006/11/364849.ogg

Lobby pró-DRM no Brasil já atua no segmento da TV Digital

“Trecho da matéria "Estúdios querem TV digital "protegida"", publicada nesta terça-feira pela Folha de São Paulo:

Os estúdios de Hollywood estão se preparando para combater a pirataria no Brasil em uma nova frente: a TV digital. O presidente da MPAA (Motion Picture Association of America, que reúne os seis maiores estúdios dos EUA), Bob Pisano, disse que a associação está conversando com emissoras de TV, como Globo e SBT,

Lula anuncia padrão de Tv Digital

No dia 29 de junho,um dia sombrio em Brasília, Lula pronunciou o decreto sobre o padrão que será adotado para transmissão de TV Digital que, nos próximos anos, será o meio privilegiado de difusão: o padrão japonês ISDB modificado de acordo com as demandas daqui.

Sistema NIPO-brasileiro de TVD: mais um sapo para engolir

Lula anunciou hoje que o padrão adotado para a transmissão de tv digital no Brasil será o padrão nipo-brasileiro. A ordem dos nomes na palavra composta deixa bem claro quem, na prática, vem antes.

TV Livre: Transmitindo.

primeira transmissao da tv livre ainda sem nome no sudeste do brasil
...

http://piolho.tvlivre.org/tvlivre.mpg

Entrevista com Takashi Tome, do CPqD, sobre TV Digital

link para baixar o vídeo, no formato ogg/theora:

http://www.midiaindependente.org/media/2006/05/354750.ogg

um tocador que suporta ogg/theora
http://www.videolan.org/vlc/

rizoma de TVs Livres.

Da sujeição à ação: TV LIVRE

Levando em consideração dois aspectos que constituem um povo no ato da sua escritura, o pedagógico e o performativo, precisamos pensar sobre qual sociedade está sendo narrada e ensinada pelas grandes redes de televisão e, como contradição necessária, fomentar a performatividade na reapropriação dos meios e reescritura do presente, como reação organizada e necessária ao narrador totalitário.

A PEDAGOGIA

A intervenção direta do aparelho burocrático do Estado sobre o uso das tecnologias de comunicação, principalmente no que diz respeito aos meios de radio e teledifusão, sempre obedeceu a um projeto fundamentalmente econômico desde a emergência da Televisão no Brasil. O resultado é a restrição na participação efetiva da difusão do som e da imagem, sendo o uso privilegiado dos meios sempre o estímulo para o consumo - instituições e grupos econômicos trabalham conjuntamente no famoso sonho de modernização da sociedade, a partir de uma pedagogização que é o uso dominante dos meios para produção de sentido. Sociedade moderna significando, nesse sentido, uma sociedade moldada para o desenvolvimento de um modo de vida lucrativo à indústria de bens, tendendo à concentração de capital e homogeneização cultural.
É nesse sentido que as grandes redes de televisão exercem um poder absurdo. Poder que se vale da tecnologia, da linguagem e do aparelho político como ferramentas para a construção de lugares autorizados de significação - o espectador é interpelado na sua intimidade sem conhecer as circustâncias de produção da mensagem que recebe e que constrói sua representação de mundo. O sujeito é excluído da troca dialogal.
Quando milhões de pessoas assistem a um programa específico de televisão é estabelecida uma rede nacional de imaginários e a TV narra a sua ficção totalitária. Essa cadeia pode ser pensada como uma comunidade imaginária (Andersen, 1983) que é fruto da simultaneidade na retransmissão do sinal. O sistema de comunicação formado pelas grandes redes existe como parte íntima e essencial da estrutura nacional que permite ao indivíduo ver-se no contexto de uma unidade.
A Rede Globo participa ativamente na formação de uma Cultura Nacional, criando zonas de resgate e esquecimento; narra o Brasil de forma sobrepujante. Ela favoreceu e foi favorecida pela formação do Estado Moderno no Brasil, de forma que as instituições políticas e jurídicas atuaram como instrumentos para a consagração desse Poder; favoreceu a integração territorial necessária para o crescimento do mercado interno, graças à formação das grandes redes de retransmissão.
Nos últimos anos, mesmo com o barateamento das tecnologias de difusão analógica, o poder político deixou de estimular a livre informação, além de atravancar o processo de novas concessões, estabelecendo rígida legislação, reservando à minorias hegemônicas o direito de narrar a sociedade e ensinar à maioria sobre como se deve viver.

A PERFORMANCE

Ao longo do movimento de escritura da sociedade, articulam-se antagonismos: opressões e resistências. É certo que há uma rede formada para o estabelecimento e a manutenção dos padrões de razão, justiça verdade e beleza; mas também é certo que na vida cotidiana o processo contínuo de significação permite a intervenção performativa das pessoas; a prática política será fundamentada na ambivalência que emerge da contestação desse narrador autoritário - daí que interrompemos a representação da totalidade.
Projetos de Tv's Livres são iniciativas de apropriação desse meio técnico que desprezam o aparato burocrático responsável pela exclusão. São forças que atuam para significar identidades marginais e interesses desiguais, dando-se o direito de narrar apesar da insistência em se limitar a maioria ao mero espetáculo. É prática de desobediência civil. Organizações de pessoas interessadas na apropriação do conhecimento tecnológico e construção dos instrumentos necessários para a transmissão de som e imagem no espectro de telefreqüência, remodelando a relação da coletividade com o medium, para além da sujeição. Trata-se de ocupar as brechas para construir novas formas de se relacionar com os meios de comunicação; desvios resultantes do paradoxo no senso da representação (por um lado o Estado e a Lei e, por outro, a predicação pessoal). Transmitir TV, apesar das instituições; apropriando-se do meio a partir do resgate da autonomia e do direito ao diálogo. Trata-se de lembrar o que o Mainstream Midiático esquece de dizer, resgatando o que é silenciado, o "outro" que está lá apesar da ilusão do "mesmo"; fazer Tv Livre é, portanto, um exercício de afirmação de identidades. A Tv Livre é o corpo técnico e coletivo necessário para que a voz que está às margens narre e reconstitua no presente a lembrança diante de um arsenal monstruoso para o silenciamento. A Tv Livre reorganiza o relacionamento com o meio de comunicação justamente porque direciona-se aos propósitos internos de autonomia e exercício da liberdade, sem desejar uma audiência de consumidores mediados.

Diversidade e Controle: O Futuro da TV Digital no Brasil

Por 9s 27/05/2006 às 11:26
ou a televisao digital eh nossa, ou ela nao serah.
http://www.midiaindependente.org/pt/blue/2006/05/354430.shtml

O Brasil vive um importante momento de definicao sobre o modelo de televisao digital que ira adotar. Dentre as possibilidades existentes, podemos importar um dos padroes estrangeiros, e tentar adapta-lo a realidade brasileira, ou continuar desenvolvendo o sistema brasileiro, que ja conta com a mobilizacao de 22 consorcios de universidades e instituicoes de ensino de todo o pais.

TV DIGITAL - Seminário Internacional

A implantação da TV Digital no Brasil implicará mudanças significativas no sitema de comunicação. O problema é que apenas através das informações divulgadas pela grande mídia não é possível, para grande parte da população, perceber que tipo de mudanças serão essas.

Objetivando um debate mais amplo sobre o assunto, o Conselho de Atos Estudos e Avaliação Tecnológica da Câmara dos Deputados promoveu durante todo o dia o Seminário Internacional da TV DIGITAL. O seminário foi dividido em duas partes:

Manhã:

- Abertura do evento

Videoconferência vai definir mobilização da Frente de rádio e TV digital

Sem FM transmite evento sobre TV Digital em Florianópolis

Audiência Pública no Ministério Público Federal

O Ministério Público Federal realizará no dia 24 de abril próximo (segunda-feira), a partir das 13 horas, AUDIÊNCIA PÚBLICA para discutir aspectos relacionados à democratização da informação e à inclusão social na implantação do SISTEMA BRASILEIRO DE TELEVISÃO DIGITAL.

Participarão da audiência, como convidados expositores, EVANDRO GUIMARÃES (Vice-Presidente de Relações Institucionais das Organizações Globo e representante da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão - ABERT), RICARDO BENETTON MARTINS (Diretor de TV Digital da

Casa Civil divulga o Memorando da TV Digital assinado hoje pelo Brasil e Japão

Os Governos do Brasil e do Japão assinaram nesta quinta-feira, 13, memorando de cooperação para implementação do sistema brasileiro de televisão digital, baseado no padrão japonês.

O Governo do Japão se comprometeu a apoiar, dentre outros, os seguintes pontos destacados no memorando:

1 - A participação de instituições brasileiras correlatas no trabalho de padronização relativa à diversificação de conteúdo do padrão ISDB-T, inclusive com a participação de representante brasileiro como membro do Comitê de Padronização do Consórcio ARIB,

Denúncia: nosso sistema será "analógico"

Israel Fernando de Carvalho Bayma (*)

A mídia, tão interessada em espetacularizar as notícias, criar escândalos e denunciar fraudes, construindo pautas para criar enquadramentos e atacar o governo e o partido hegemônico que lhe dá sustentação, desta vez não terá como se esconder sob suas manchetes: o padrão da TV Digital brasileira será analógico.

Será analógico porque, se for definido como a mídia quer, manterá tudo como está hoje, que já é analógico. Ou seja, será análogo à política de comunicação da TV analógica.

TV Digital - A desinformação e a pressa

Por Carolina Ribeiro, Edison Lima e Gustavo Gindre

((i))rradiar nosso próprio conteúdo!

Daniel Castro fala sobre TV Digital

Transcrição do bate papo com Daniel Castro, colunista da Folha de S.Paulo, sobre TV Digital.

(05:05:53) Daniel Castro: Olá a todos...

(05:06:08) FabricioAguirre fala para Daniel Castro: Daniel, é certo descartar a tecnologia americana de cara, como fez o governo ?

(05:07:02) Daniel Castro: FABRICIO - Em termos. Porque a tecnologia americana ainda não serve ao Brasil. Funciona bem no cabo, mas não em sistema de transmissão terrestre como o nosso.

(05:07:12) mudeiro entra na sala...

(05:07:16) Leandro Neves entra na sala...

(05:07:26) CRIDE entra na sala...

Frente Nacional por um Sistema Democrático de Rádio e TV Digital

Brasília, 04 de abril de 2006

Ministro Gil le cordel da TV digital

Gilberto Gil leu o cordel da TV digital em uma aula inaugural na UFRJ. O cordel critica a forma que vem sendo feita a escolha do sistema de da TV digital a ser implantado no Brasil e chama, com razão, o ministro das comunicações de boçal. Mas depois Gil pediu desculpas a Helio dizendo que não conhecia na integra o conteudo do cordel. Fica a pergunta: Qual dos dois ministros é pior?

http://www.radiolivre.org/node/2141

TV Digital: Sociedade civil realiza plenária no dia 4/4 em Brasília

Plenária visa envolver organizações no debate sobre o futuro da mídia no país

Conteúdo sindicalizado